This is default featured slide 1 title

This is default featured slide 1 title

You can completely customize the featured slides from the theme theme options page. You can also easily hide the slider from certain part of your site like: categories, tags, archives etc. More »

This is default featured slide 2 title

This is default featured slide 2 title

You can completely customize the featured slides from the theme theme options page. You can also easily hide the slider from certain part of your site like: categories, tags, archives etc. More »

This is default featured slide 3 title

This is default featured slide 3 title

You can completely customize the featured slides from the theme theme options page. You can also easily hide the slider from certain part of your site like: categories, tags, archives etc. More »

This is default featured slide 4 title

This is default featured slide 4 title

You can completely customize the featured slides from the theme theme options page. You can also easily hide the slider from certain part of your site like: categories, tags, archives etc. More »

This is default featured slide 5 title

This is default featured slide 5 title

You can completely customize the featured slides from the theme theme options page. You can also easily hide the slider from certain part of your site like: categories, tags, archives etc. More »

 

Noruega proíbe elefantes nos circos

 

noruega_proibicao_circo_elefante

A Noruega vai proibir o uso de elefantes em circos a partir de 1 de janeiro de 2017.

Siri Martinsen, diretora da organização de defesa dos direitos dos animais NOAH que trabalhou durante 27 anos para conseguir a aprovação desta legislação, considerou esta proibição “uma vitória importante” para os elefantes. A organização pretende continuar a trabalhar no sentido de conseguir proibições semelhantes para os restantes “artistas involuntários” do país.

Um número crescente de cidades e países tem vindo a proibir a utilização de animais selvagens nos circos, incluindo Dublin, na Irlanda, o Irão, a Bolívia, a Grécia, Bélgica, Holanda, México e Varsóvia, na Polónia.

Fonte: The Uniplanet


Nota do Olhar Animal: Difícil é entender que diferenças RELEVANTES existem entre elefantes, macacos, tigres e tantos outros animais explorados por circos que justifique que os primeiros deixem de ser explorados e os demais sejam mantidos sob o jugo dos torturadores.

Cadela é adotada por policial que a salvou de maus-tratos

Após resgatar a cadela, a oficial se deu conta que a cachorrinha iria ficar sem casa e tomou uma nobre atitude.

Por Anderson Pereira

Após receber uma denúncia, a oficial Christine Luffye, do Departamento de Policia de Pittsburgh, foi até a propriedade e encontrou a cadela da raça pit bull, Effie, sendo mantida em péssimas condições.

Faminta, a cadela pesava pouco mais de seis quilos quando resgatada.

<iframe src=”https://www.facebook.com/plugins/post.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fwesternpahumanesociety%2Fphotos%2Fa.10151584898535873.1073741827.76732935872%2F10153730241030873%2F%3Ftype%3D3&width=500″ width=”500″ height=”501″ style=”border:none;overflow:hidden” scrolling=”no” seamless=”seamless” allowTransparency=”true”></iframe>

O seu antigo tutor, Gerald Walker Jr, foi condenado por maus-tratos contra animais e irá cumprir uma pena de 18 meses em liberdade condicional, além de ser proibido de ter qualquer animal durante esse período.

EUA Pittsburgh cadela adotada policial

Vendo que Effie iria ficar sem um lar, a oficial que a resgatou decidiu adotá-la! O departamento de polícia para o qual Christine trabalha até mesmo fez uma transmissão ao vivo em seu Facebook para oficializar a adoção.

Fonte: Clube para Cachorros

Guarda Ambiental checa denúncias de maus-tratos a cavalos em Arapongas, PR

PR Arapongas denuncias maus-tratos aricanduva

Durante a última semana a Guarda Ambiental de Arapongas recebeu várias denúncias referentes a supostos maus-tratos a alguns cavalos que estariam ocorrendo no distrito de Aricanduva. 

Diante das informações, a equipe foi até o local checar tais denúncias, onde orientou o proprietário sobre alguns procedimentos que deveriam ser adotados.

Crime

Maltratar animais é crime a pena é de detenção de 3 meses a um ano, além de multa.

PR Arapongas denuncias maus-tratos aricanduva2

Fonte: Dia a Dia Arapongas

Égua vítima de maus-tratos é resgatada às margens de rio em Itapetininga, SP

Funcionários de ONG localizaram animal na Vila Mazzei, em Itapetininga. ‘Foi revoltante ver a cena. Me chocou muito’, diz voluntário Maurício Affonso.

Por Paola Patriarca

Uma égua vítima de maus-tratos foi resgatada por funcionárias e voluntários da União Internacional de Proteção aos Animais (Uipa), na manhã desta quarta-feira (14), em Itapetininga (SP), após denúncia anônima. O animal estava bastante ferido e com sinais de que estava sendo usado para puxar carroça.

SP Itapetininga egua resgatada rio

De acordo com um dos voluntários da Uipa, Maurício Alves Affonso, uma denúncia anônima foi feita para funcionárias da ONG de que a égua estava agonizando às margens de um rio na Vila Mazzei, em um barranco de aproximadamente quatro metros de altura.

“As funcionárias e eu fomos até o local e encontramos a égua muito machucada, com sinais de maus-tratos e de que estava sendo usada para puxar carroça. Foi revoltante ver a cena. Me chocou muito ver os ferimentos em todo o corpo. É triste demais. Para quem gosta de animais da vontade até de chorar. A égua não conseguia nem levantar de tão debilitada que estava. Quando chegamos, ela estava agonizando”, afirma o voluntário.

Segundo Maurício, uma equipe da Polícia Militar acompanhou o resgate e o proprietário do animal foi localizado.”O proprietário alegou que estava cuidando do animal e que quando pegou a égua, ela já estava um pouco ferida. Diante da situação, nós registramos um boletim de ocorrência de maus-tratos”, afirma.

Ainda de acordo com o voluntário, a égua foi levada para a ONG, onde vai receber atendimento veterinário. “Esperamos que ela melhore e que se recupere. É horrível encontrarmos situações como essa”, diz.

SP Itapetininga egua resgatada rio2

Fonte: G1

Menor diz que animais estão sendo maltratados em Cascavel, PR

Uma gatinha morreu e outra está com sintomas estranhos, assim como o cachorro…

Por Allan Machado

PR Cascavel menor animais maltratados

Essa adolescente que preferiu não se identificar mora no Bairro São Cristóvão. Segundo ela, alguém está dando veneno para os animais.

Tudo começou há cerca de 15 dias quando a gatinha dela morreu, logo em seguida, o cachorro teve sintomas estranhos, e agora outra gatinha nem se quer sair da casinha.

Os animais ficam no pátio, as gatinhas iam para a rua porque não tinha como segurar em casa, e a adolescente acreditam que além de venenos, alguém maltrata com tiros de chumbinho.

Ela pede para que esses tipos de pessoas sejam punidas ou parem de maltratar os animaizinhos.

<iframe width=”660″ height=”371″ src=”http://mais.uol.com.br/static/uolplayer/index.html?mediaId=15991658″ seamless=”seamless” allowfullscreen></iframe>

Fonte: CGN

Protetores lutam para construir canil para animais carentes em Nova Iguaçu, RJ

RJ NovaIguacu protetores animais carentes

Inconformados com a ausência de atenção do poder público com os animais um grupo de protetores de Nova Iguaçu (RJ) resolveu arregaçar as mangas e partir pra luta.

Mesmo sem ajuda de nenhum órgão público o grupo decidiu iniciar a construção de um canil no quintal da dona Gira, de 60 anos, uma protetora bastante conhecida na região que há aproximadamente 25 anos recolhe e recebe animais em situação de abandono e os acolhe em sua residência, que atualmente somam 110 cães e 58 gatos.

RJ NovaIguacu protetores animais carentes2

O canil que está sendo construído no bairro Cerâmica, terá a capacidade de acolher 200 animais e irá oferecer uma melhor estrutura e conforto para o trato dos cães e gatos. “Fico muito feliz em ver um sonho meu sendo realizado. Com este canil, ficará bem melhor”, disse dona Gira.

Para conseguir alimentar esses quase 200 animais que cuida atualmente, dona Gira conta com doações de pessoas que conhecem e acompanham a sua luta, e mesmo diante das dificuldades, ela não demonstra desânimo, pelo contrário, sempre otimista e sorridente. Um dos colaboradores é o comerciante Denílson Marques, 46 anos, que também é bastante conhecido na região por atuar na defesa e proteção dos animais, que inclusive está criando uma Organização Não Governamental (ONG) que terá como o objetivos receber denúncias de maus-tratos, realizar a triagem e o cadastro de animais que forem recolhidos.

“Já que o poder público não toma uma atitude, nós como cidadãos de bem não podemos ficar de braços cruzados diates dos inúmeros abandonos e maus-tratos contra esses animais, por isso estou criando essa ONG, visando a proteção e defesa dos animais”, explica.

Esses amigos dos animais pedem para quem puder ajudar doando ração ou medicamentos veterinários que entre em contato com o telefone 98665‐8482.

Fonte: Baixada Vida Notícias

Campanha antirrábica deve vacinar 54 mil animais em Montes Claros, MG

Cães e gatos devem ser vacinados neste sábado (17). Zona rural recebe a ação no dia 25 de setembro.

MG MontesClaros campanha antirrabica

O Centro de Controle de Zoonoses de Montes Claros realiza neste sábado (17), mais uma edição da Campanha de Vacinação Antirrábica. A meta é vacinar 54 mil cães e gatos da cidade, 6 mil a mais que em 2015.

A ação será realizada em 64 postos fixos e 15 móveis espalhados pela cidade. Segundo o coordenador do CCZ, Edvaldo Freitas, para garantir a dose, os tutores dos animais devem apresentar o cartão de vacinação. “Os animais de grande porte também devem estar com a focinheira. Vale sempre lembrar a importância da vacina, uma vez que o último caso registrado de raiva em humanos foi em 1989, e em animais em 1991”, enfatiza.

Devem ser vacinados cães e gatos que tenham pelo menos três meses de idade. Os animais que vão receber pela primeira vez precisam tomar uma nova dose após 30 dias.

Zona Rural

A campanha chega à zona rural no dia 25 de setembro, quando 25 postos fixos vão ser usados para vacinar os animais da região. Para mais informações entre em contato com o CCZ pelo (38) 3229-8557.

Quem perder a data da vacinação pode levar o animal à sede do Centro de Controle de Zoonoses para a aplicação.

Fonte: G1

Controle de capivaras na Pampulha depende de decisão judicial, diz PBH em Belo Horizonte, MG

Animais, atualmente soltos, são motivo de impasse entre Prefeitura e Ibama. Confirmação de morte por febre maculosa reacende preocupação.

Por Flávia Cristini

MG BeloHorizonte controle capivaras pampulha

Um dos animais hospedeiros do transmissor da febre maculosa, as capivaras que vivem no entorno da Lagoa da Pampulha atualmente não são monitoradas. A Prefeitura de Belo Horizonte recorre contra ordem judicial que, em janeiro deste ano, determinou a liberação dos animais mantidos em cativeiro. O processo está no Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília. A confirmação de uma morte por febre maculosa em Belo Horizonte reacendeu a preocupação.

Nesta terça-feira (13), um dia após a confirmação do óbito de Thales Martins Cruz, de 10 anos, o processo foi distribuído ao desembargador federal Souza Prudente da 5ª Turma. A Justiça não deu informações sobre prazos.

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) atribui à Prefeitura a responsabilidade sobre os animais e informou que também não realiza nenhum tipo de controle. Nos últimos dois anos, a situação dos animais é motivo de impasse entre os órgãos. A situação das capivaras vai ser pauta de uma reunião neste sexta-feira (16) entre represetantes do Ibama e da Prefeitura. O encontro será na sede do instituto em Belo Horizonte.

A devolução dos animais à região da Pampulha ocorreu após período de confinamento. Em setembro de 2014, a Prefeitura capturou 52 capivaras. Exames apontaram a contaminação de parte com a bactéria Rickettsia rickettsii, transmissora da febre maculosa. Segundo a Prefeitura de Belo Horizonte, as capivaras foram instaladas no Parque Ecológico da Pampulha, onde receberam vermifugação, atendimento veterinário, alimentação de boa qualidade e recintos e comedouros higienizados diariamente.

Trinta e oito vieram a falecer por possível estresse crônico que sofreram em cativeiro e, à época da soltura, eram em número de 14 e não apresentavam carrapato portador da bactéria de febre maculosa. Em março de 2015, o Ibama notificou a Prefeitura para que os animais fossem soltos, alegando que o prazo para manutenção em cativeiro havia expirado, que não havia um plano de manejo elaborado e que os animais recolhidos sofriam maus-tratos. Por decisão da Justiça Federal em Belo Horizonte, as capivaras foram soltas.

Na sentença, à època, o juiz Itelmar Raydan Evangelista ressaltou que “a captura e a manutenção desses animais em cativeiro, sem um plano de manejo adequado, representa ofensa a um bem protegido por Lei. (…) antes de representar uma solução para um problema ambiental antigo, revela-se desencadeador de outro mais grave e imediato”. (…)

MG BeloHorizonte controle capivaras pampulha2

Contudo, sem algum responsável pelo controle, atualmente, não há informações sobre a saúde dos animais. Após a confirmação do óbito do garoto Thales, a Secretaria Municipal de Saúde informou que ações de prevenção estão sendo intensificada na região da Pampulha, sobretudo no Parque Ecológico.

Apesar do risco oferecido, outro hospedeiro também presente na Pampulha gera mais preocupação, segundo a Prefeitura. “Chamamos atenção que o principal hospedeiro [do carrapato-estrela] ele é o cavalo”, disse a gerente de Vigilância em Saúde, Maria Tereza da Costa, em entrevista ao MGTV 1ª edição. A Prefeitura pede ainda que todos os moradores da região que têm cães passem remédio nos animais e que a população que frequenta a orla se previna. Aves também são hospedeiras do carrapato.

“Toda a vegetação é podada, mantendo-a, no caso de gramínea, rasteira, para facilitar a penetração dos raios solares, que não são favoráveis aos carrapatos, e é feita irrigação de toda a área de visitação do parque, principalmente na época da seca, quando ocorre a maior proliferação de carrapatos no Brasil”, diz trecho de nota da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte, responsável pelo Parque Ecológico.

O espaço vai continuar aberto ao público. Nesta manhã, a fundação havia informado ao G1 que, em caso de necessidade, áreas poderiam ser cercadas no parque. Contudo, após a publicação desta reportagem, informou que o Parquinho 2 e o Memorial Japonês, limítrofes a uma reserva ambiental nos fundos do parque já haviam sido isolados para aplicação de carrapaticida. A medida segue até esta sexta-feira (16).

Segundo a Prefeitura, desde junho de 2013, animais hospedeiros não circulam na área de visitação, que contém placas informativas. Além disso, a Gerência Regional de Controle de Zoonoses – Pampulha realiza busca ativa do carrapato-estrela. e, em caso de necessidade, áreas poderão ser cercadas.

Em 8 de setembro, o prefeito Márcio Lacerda já havia recomendado à população a evitar contato com a vegetação do parque da Pampulha e afimou que as capivaras estavam com “habeas corpus”. “O assunto das capivaras precisa de uma solução definitiva. Elas estão hoje, incrivelmente, sob habeas corpus, né? Elas estavam presas e foram liberadas por uma decisão da Justiça da qual nós recorremos”, disse.

Ao se justificar na ação, a prefeitura afirmou que a população de capivaras gerava problemas como presença nas ruas próximas da orla e possíveis acidentes de trânsito, presença na pista do aeroporto da Pampulha e deteriorização dos jardins do Conjunto Arquitetônico da Pampulha, além da questão de saúde pública: “e por fim o principal problema trazido pelas capivaras referente ao risco que trazem por serem propagadoras da febre maculosa”, disse.

Morte confirmada

Belo Horizonte tem quatro casos confirmados de febre maculosa em residentes, segundo a secretária Municipal de Saúde. A última foi no dia 2 de setembro. Thales Thales Martins Cruz, de 10 anos era lobinho e participava das atividades dos Escoteiros do Brasil, seção Minas Gerais, há sete anos. Uma delas aconteceu no dia 20 de agosto, no Parque Ecológico da Pampulha. A causa da morte foi confirmada nesta segunda-feira (12) por exames na Fundação Ezequiel Dias (Funed).

MG BeloHorizonte controle capivaras pampulha3

Com a confirmação, a Secretaria Municipal de Saúde informou que realizará, nesta quinta-feira (15) , videoconferência com médicos e enfermeiros de sua rede, para fortalecer os protocolos visando ao rápido diagnóstico e tratamento da doença.

A doença

A febre maculosa é transmitida pelo chamado “carrapato-estrela”. Esse animal tem como hospedeiros principais os cães, cavalos, as aves e capivaras. A doença se manifesta repentinamente acompanhada de vários sintomas, como febre alta, dor de cabeça, dores no corpo, náuseas e vômitos.

A doença tem um ciclo de incubação que dura de cinco a dez dias, até se manifestar. Um dos maiores problemas apontados pelos médicos é o fato de que os sintomas se parecem com os de outras doenças, como a dengue. A demora no diagnóstico pode levar à morte.

Fonte: G1


Nota do Olhar Animal: O poder público, invariavelmente especista, não demonstra competência e/ou vontade política para lidar com a questão preservando a vida de capivaras e de humanos. Ao contrário, anseia seguir a anacrônica e nada ética lógica da matança. A falta de um encaminhamento ético e ágil poderá fazer outras vítimas, inclusive entre humanos. E a culpa não será das capivaras, que querem condenar à morte, seja pelo extermínio direto, seja pelo confinamento, que já se mostrou letal para elas.

 

Imagens mostram cão guardando corpo de amigo que morreu atropelado

Cao guardando corpo amigo

Um pequeno cão foi visto esperando sobre o corpo de seu companheiro, depois que o animal foi atropelado por um carro. A imagem foi publicada no site do jornal britânico Daily Mail. Na foto, o animal estava tentando acordar seu amigo, no meio de uma rua movimentada. O fato gerou discussão nas redes sociais.

Cao guardando corpo amigo2

“É por isso que eu prefiro cães do que humanos”, disse um internauta no Facebook.

Outra pessoa comentou. “É de partir o coração ver os cães totalmente indefesos e ninguém os ajuda. Como as pessoas que estavam simplesmente tirando fotos. A vida é tão difícil para os animais de rua”. 

O post termina com um recado. “Pessoas que não amam animais: pelo menos, não passem por cima deles, por favor”.

Fonte: TN Online

Sema afirma que animais estão recebendo assistência em Cuiabá, MT

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) esclarece que os animais silvestres abrigados no atual Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), que funciona em parceria com o Batalhão de Política Militar de Proteção Ambiental (BPMPA), estão sendo assistidos pontualmente pelo órgão ambiental.

Ao todo, existem oito processos licitatórios da Coordenadoria de Fauna e Recursos Pesqueiros em andamento, o que exigiu uma força-tarefa com servidores do setor da fauna (que têm o conhecimento técnico para definir os melhores materiais, produtos e serviços) e do setor de aquisição da Sema.

Mas, para que não houvesse interrupção no fornecimento de alimentos, medicamentos e outros produtos importantes voltados ao resgate de fauna, a gestão se antecipou ao buscar alternativas, entre elas a aquisição direta de alimentos e também a parceria com instituições públicas (como Ministério Público Estadual – MPE e Juizado Volante Ambiental – Juvam) e privadas (supermercados, feirantes, etc).

No que tange à emergencialidade do serviço, a Sema também já estudou ampliar a parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), por meio de uma contratação direta (com dispensa de licitação), com baixo custo dos serviços no atendimento médico veterinário. Para a cobertura do serviço no recesso da instituição de ensino e também atendimento no interior do Estado, será realizado o credenciamento de clínicas veterinárias.

A Sema acrescenta que o espaço onde hoje está localizado o Cetas não é definitivo, mas, que já está pronto o projeto para a construção do novo centro, orçado em R$ 2 milhões, com tratativas neste momento sobre a fonte de recursos para a sua efetivação. Paralelamente, está em andamento um processo de licitação que prevê recursos para a manutenção e reforma do recinto de reabilitação dos animais silvestres resgatados.

É importante ressaltar que o trabalho de resgate à fauna silvestre como atribuição da Sema é muito recente, faz 3 anos que se iniciou, a partir do atendimento à Lei Complementar nº 140, da Presidência da República, que atribui aos estados algumas competências que antes eram da União, como gestão da fauna e licenciamentos nesta área. Até o ano passado, o Ibama fazia esse trabalho.

Em razão das inúmeras limitações financeiras da instituição estadual, que já atende muitas demandas, a Sema está assumindo aos poucos mais essa função, que é recolher e cuidar dos animais, sempre de forma técnica, pontual, contando com servidores comprometidos e parceiros sensíveis a esta demanda.

Fonte: Diário de Cuiabá